sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Duhhh!

As pessoas que postam no facebook e nos blogs cenas incrivelmente fantásticas como se fosse a vida real pensarão que nós acreditamos naquilo?

Ó pá, cada um escreve o que quer, é certo, mas não tentem fazer de mim mais parva do que eu já sou.


quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Skinny


Eu sei que não tem importância ser gordinha, o que interessa é ser saudável. Juro que sei e concordo.
Eu estou 5 kg acima do meu peso mas faço por ser magra e me manter assim com alimentação disciplinada e exercicio regrado.

Mas confesso que adoro ver uma magrela bem vestida e por isso adoro este site:

www.theskinnywebsite.com




Porque tb acho lindas magrelas sem curvas.
Pronto.

domingo, 22 de janeiro de 2012

"Palavras ao vento"

Na voz do fantástico Lázaro Ramos...de quem eu sou fã.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Cruelty Free

Ficam aqui algumas marcas internacionais de cosméticos que não testam em animais.
Antes de usarem uma marca, verifiquem se são testadas em animais.
Nós não queremos usar isso, pois não? POIS NÃO?


Almay
American Beauty
Anastasia Beverly Hills
Arbonne
Avène
Bare Minerals
Bare Escentuals
Bobbi Brown
Boscia
Chanel
Cinema Secrets
Clarins
Clinique
CoastalScents (ELES não testam, mas pelo que entendi eles compram maquiagem e colocam a marca deles, então não tem muita garantia né)
Dermablend
DuWop
ELF
Elizabeth Arden
Essence of Beauty
Everyday Minerals
Eyeko
Fusion Beauty
Graftobian
Hard Candy
Illamasqua
Josie Maran Cosmetics
Kat Von D
Kryolan
La Prairie
Laura Geller
Laura Mercier
Lauren Luke
Lipfusion
L’Occitane
MAC Cosmetics
Mary Kay
Murad
Nivea
NYC Color
NYX
OCC
OPI
Palladio
Payot
Paul Mitchell
Philosophy
Physicians Formula
POP Beauty
Prescriptives
Revlon
Sephora
Smashbox
Stila
TheBalm
TIGI
The body shop
Tommy Hilfiger
Too Faced
Ulta
Urban Decay
Victoria’s Secret

.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Metade



Metade



Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.



Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.



Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.



Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que eu penso mas a outra metade é um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste, e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.



Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.



Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.



Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é plateia
E a outra metade é canção.



E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.



by Oswaldo Montenegro

domingo, 15 de janeiro de 2012

Cosméticos caseiros...Não por favor.

Sim, eu sou muito poupada.
Uso detergente caseiro, ambientador caseiro, gasto as minhas coisas até ao fim etc, etc. Mas... se há uma coisa que não gosto é cosméticos caseiros, não me convidem para desmaquilhar os meus olhos com desmaquilhante bifásico feito de água e azeite, nem para esfoliar o corpo com creme hidratante e açucar...posso estar a perder bastante, mas a verdade é que não consigo. Tambem não sou capaz de fazer máscaras de cabelo e usar aquelas mezinhas para a pele feitas com receitas das nossa avós.
A minha carteira que me perdoe, mas essas coisas eu tenho que comprar já feitas.



Não tenho nada contra quem usa e até gostava bastante de ser capaz, mas sinceramente não consigo usar.
Um dia que mude de opinião, aviso!


Photo in google

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Drive

Completamente apaixonada pelo filme e respectiva banda sonora.







História linda, actores que eu amo e música fenomenal!

A Inveja - Artigo Activa

Adorei este artigo da Activa.
Porque a inveja é o pior sentimento que há e os Deuses nos livrem de tal sentimento.




Inveja: defenda-se do mau olhado
Por: Catarina Catarina in Activa


"Quando me caiu nas mãos este artigo também achei um bocado demais porque, juntamente com a almofadinha, já fazia de mim uma profissional da inveja, mas mais ninguém se quis assumir (cobardes!). Primeira lição: a inveja é o único pecado imperdoável. Ninguém se importa de ser uma gulosa do pior, preguiçosa em último grau ou mesmo viciada em sexo, mas invejosa é que não! Portanto deitei mãos à obra, não sem antes perguntar porque é que não podíamos começar pela Luxúria (parece que fica para o mês dos namorados).

Primeira paragem: liguei a uma amiga professora para perguntar se os maus alunos tinham inveja dos bons. “Vou contar-te a Parábola do Burro e do Cigano”, disse ela. “Numa aula há um bom aluno e dois maus alunos. Um dos maus alunos tem inveja do bom aluno e faz-lhe a vida negra. O outro mau aluno senta-se ao lado do bom aluno e aprende com ele. Um mês depois, o primeiro mau aluno continua mau aluno, e o segundo mau aluno já é bom aluno.”

Desligou antes que eu pudesse perguntar onde é que entravam o burro e o cigano, mas percebi que nada depende do pecado, tudo depende do que fazemos com ele. Primeira conclusão já estava.

Como, apesar de tudo, duvidava que me aceitassem um artigo com um parágrafo, fiz segunda paragem de peso, num dos nossos maiores filósofos. A propósito do livro ‘Portugal Hoje: O Medo de Existir”, José Gil afirmou ao ‘Público’: “Temos medo de experimentar porque temos medo do que vão dizer de nós. Partimos sempre do princípio de que o que vão dizer é negativo. Dificilmente alguém dirá: ‘Que bom o que tu fizeste’.” Não. Vão-nos decerto criticar. Isso cria logo um medo que nos paralisa.”

É difícil libertar-nos do olhar dos outros. “A sociedade portuguesa é uma sociedade suavemente paranoica. As pessoas estão demasiado conscientes de si próprias, o que é um horror, porque é paralisante.”

MAIS que um sentimento

Ou seja: não somos bons e também não deixamos que os outros o sejam. Lembrei-me de uma frase que um amigo meu está sempre a dizer: “Damos mais importância à língua da vizinha que à vontade secreta da nossa alma...”

“A sanção é o mecanismo da inveja”, explica José Gil. “Não agimos mas também não deixamos ninguém agir. O mecanismo da inveja tem a ver com práticas de magia, com o ‘mau-olhado’, com aquilo a que em psiquiatria se chama ‘transferência psicótica’. Cria-se um ambiente hostil à iniciativa.” Aguentem, que ainda há mais: é que se achava que a inveja era uma emoção pessoal que, quando muito, me coartava a mim e ao meu invejado, enganava-me: a teoria da conspiração vai mais longe. “A inveja em Portugal é mais do que um sentimento: é um sistema. E não é apenas individual: criam-se grupos de inveja, um ambiente de inveja. Numa empresa, não se permite que ninguém ultrapasse a linha da média baixa. Vivemos reconhecendo-

-nos como irmãos na desgraça. Uma pessoa sufoca a outra com esta energia.” Mas depois vamos para o estrangeiro e somos fantásticos, desenrascados, originais e criativos... Parece que só dentro de território nacional é que vivemos constrangidos.

Negação da alma portuguesa

Em crise e invejosos? É demais para um só país! Para saber como sair do sistema paralisante, fui bater à porta do psicólogo Vítor Rodrigues, especialista em Psicologia da Consciência, que estuda os estados de alma e o impacto que podem ter sobre as nossas ações.

“A inveja é quase uma negação da alma portuguesa”, começa por notar Vítor Rodrigues. “Desenvolvemos o hábito de recear o olhar alheio, algo muito inquisitorial. Neste país, tivemos uma Inquisição muito forte. Ninguém gosta de dar nas vistas, as pessoas fecham-se no seu pequeno núcleo.”

Dar nas vistas em Portugal ainda é malvisto. “Por acaso, neste momento estamos a importar a mentalidade tabloide, e criou-se a ideia oposta de que dar nas vistas em si é bom. Instituiu-se a busca da satisfação imediata, que também promove a inveja. Queremos tudo já, e sem esforço.”

José Gil diz que temos medo do olhar dos outros. Como é que o medo está ligado à inveja? “O ódio e o medo são da mesma família, são emoções aversivas. No medo, detesto alguma coisa e quero afastar-me. No ódio, detesto alguma coisa e quero aproximar-me para destruir. A inveja tem muito de ódio, porque o invejoso quer destruir ou prejudicar.”

Pergunta óbvia: a inveja pode trazer alguma coisa de bom? Resposta óbvia: não. Se trouxer, é porque estamos a usar a palavra errada. “A inveja é sempre tóxica, porque alimenta um estado de insatisfação permanente. É um sentimento duplamente perdedor: mau para quem sente, mau para quem recebe”, nota Vítor. “Ao passo que a admiração é um sentimento duplamente ganhador. A diferença entre as duas? Imagine que eu penso, ‘O sacana do Cristiano Ronaldo joga mesmo bem’ e tenho-lhe um pó desgraçado. Mas posso pensar ‘adorava jogar como ele’ e fazer tudo para que isso aconteça.” Ok, outra vez a Parábola do Burro e do Cigano, mais uma vez sem burro nem cigano.

Em vez de invejar posso admirar, é isso? “Sim. A inveja pode ter um pouco de admiração, mas tem muito mais de roubo, um desejo de se apropriar do que o outro tem, em vez de desenvolver em nós qualidades que nos ajudem a chegar lá. E na impotência do roubo surge um desejo de destruição. Não tenho o que o outro tem, por isso desejo que o outro não o tenha, se possível destruindo o outro ou aquilo que ele possui.”

‘Envie’, em francês, significa desejo... “Segundo os conceitos de espiritualidade oriental, desejar está no caminho inverso à felicidade. Quando desejo, projeto- -me para o futuro e assumo o estado de necessidade, algo que não tenho agora. Se tenho inveja, não sou feliz no presente. O truque é assumirmos o movimento interno mas vivê-lo agora.”

Ai não percebo. Explique lá melhor. “Se estou a trabalhar para que a sociedade avance, esse esforço já me satisfaz. É o sono do guerreiro, mesmo sem ter ainda vencido a batalha. Mas se vivo frustrado por não ter o que quero, não sou capaz de viver a felicidade no presente.”

Retrato do invejoso

Portanto, outra conclusão: a inveja é inimiga da felicidade. Mas somos bombardeados com coisas que temos de ter para sermos felizes... “Pois, o sistema económico empurra-nos para a inveja e para a competição. Por que é que isto nos torna infelizes? Sempre que me comparo com os outros, estou a procurar fontes de bem-estar no exterior e a afastar-me de mim próprio. A felicidade implica geralmente estados em que estou a fluir comigo próprio, a deixar-me ser.”

Qual é a diferença entre deixar-me ser quem sou e deixar-me querer ser gira e loira como a Letizia? “Se se lembrar dos momentos da sua vida em que se sentiu melhor, geralmente os outros quase não estavam na jogada, e a pessoa estava a viver-se a si própria. Estava a ver um pôr do sol, não a ver se alguém estava igualmente a ver o pôr do sol.”

Agora imaginemos que alguém me inveja e me quer destruir, como ameaçam todas as ciganas do mundo. Já José Gil falava daquilo que existe de mau-olhado num olhar invejoso... “Possivelmente, isso é 99% de superstição e 1% de verdade”, explica Vítor Rodrigues. “Algumas pessoas conseguem influenciar à distância o batimento cardíaco dos outros, por exemplo. Mas não precisamos de estudos parapsicológicos para percebermos que um invejoso nos pode de facto destruir. Numa empresa, é o que sabota o trabalho dos outros para impedir que subam mais do que ele.” Boas notícias: é possível mudar isto. Más notícias: dá trabalho, porque tem de ‘estudar’ o invejoso. “É preciso perceber como eles atuam e usar a inteligência e o bom senso para os desativar. Mas, acima de tudo, a defesa depende do grau de confiança que tiver em si própria.”

domingo, 8 de janeiro de 2012

Porque nós somos sempre diferentes todos os dias...


"Porque nós somos sempre diferentes todos os dias, estamos sempre a crescer e a saber cada vez mais, mesmo quando percebemos que aquilo em que acreditávamos não era certo e nos parece que voltámos atrás. Nunca voltamos atrás. Não se pode voltar atrás, não se pode deixar de crescer sempre, não se pode não aprender. "

By José Luís Peixoto
Photo by Dylan_Murphy in Deviantart

sábado, 7 de janeiro de 2012

Benamôr

Experimentei e amei!!!
Deixa a pele macia e calminha. Ajuda a fechar os poros e por isso também serve como primer de maquilhagem.
O único contra (que não é bem um contra) é cheirar a avózinha.
Vintage is beautiful!



A embalagem é LINDA!

domingo, 1 de janeiro de 2012

Lip Tattoo!


Encomendei no Ebay por brincadeira, mas a verdade é que adorei. São confortáveis, fáceis de aplicar e duram quase 48h. Não há melhor para dias de festa!
Há imensos padrões por apenas $2 (€1.54)


;)