sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Dalai Lama : o GRANDE.


Dalai Lama: "Paz não cai do céu nem se conquista pela reza"

O líder espiritual Dalai Lama afirmou nesta segunda-feira na cidade francesa de Toulouse que "a paz não cai do céu nem é conquistada através da reza", por isso que a única maneira, segundo sua opinião, de solucionar os conflitos é através do diálogo e do esforço de cada um. Em uma conferência sobre "A arte da felicidade", com a qual encerrou sua visita à região, o monge budista e Prêmio Nobel da Paz de 1989 pediu às mais de 8 mil pessoas que presenciaram o ato para que "conversem frente a frente" cada vez que tenham algum problema com outra pessoa.

"O século XX foi o mais sanguinário da História. Deveríamos aprender a lição e fazer com que o século XXI seja o do diálogo", disse em uma conversa introduzida pelo filósofo e ex-diplomata francês Stéphane Hessel, autor do livro "Indignai-vos". Dalai Lama, que defende a autonomia tibetana e é considerado na China como um líder separatista, se propôs a falar "das coisas importantes em nossa vida cotidiana" e assegurou que "a realidade nos mostra que precisamos de uma maior cooperação genuína, baseada na amizade, na confiança e na honestidade".

Durante o encontro de quase duas horas e meia, no qual se expressou em inglês, o líder espiritual, 76 anos, sustentou que "o bem-estar de uma nação e de uma família depende de soluções globais", que dependem de "um senso de responsabilidade". Em seu discurso, Dalai Lama lembrou que "somos em essência animais sociais" e que como tais dependemos uns dos outros, por isso, insistiu, que devemos nos apoiar "de maneira construtiva", para conseguirmos a paz interior, um estado que não se conquista segundo ele "nem com dinheiro nem com poder", mas parte do interior e provém, "como a verdadeira felicidade, do coração".

O líder por fim ressaltou que seu compromisso principal reside na promoção desses valores humanos, não do ponto de vista da religião, mas da ética, e advertiu que sentir-se bem é importante não só para os cidadãos, mas também para os dirigentes. "É essencial que possam cultivar esses valores porque suas decisões afetam uma quantidade inumerável de pessoas", disse o líder espiritual, que recomendou aos cidadãos que estejam desencantados com seus governantes que se envolvam na política, porque "estando à margem, não conseguem mudar nada".

Não posso concordar mais.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O Refúgio

Ainda não parei de ouvir isto :

Le Refuge by Louis-Ronan Choisy et Isabelle Carré




Desde que vi isto :

Le Refuge Trailer



É tudo lindo.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Dia Mundial da Fotografia



Uma das minhas grandes paixões!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Os lambe cús!


"Noto com desagrado que se tem desenvolvido muito em Portugal uma modalidade desportiva que julgara ter caído em desuso depois da revolução de Abril. Situa-se na área da ginástica corporal e envolve complexos exercícios contorcionistas em que cada jogador procura, por todos os meios ao seu alcance, correr e prostrar-se de forma a lamber o cú de um jogador mais poderoso do que ele.
Este cú pode ser o cú de um superior hierárquico, de um ministro, de um agente da polícia ou de um artista. O objectivo do jogo é identificá-los, lambê-los e recolher os respectivos prémios. Os prémios podem ser em dinheiro, em promoção profissional ou em permuta. À medida que vai lambendo os cús, vai ascendendo ou descendendo na hierarquia.
Antes do 25 de Abril esta modalidade era mais rudimentar. Era praticada por amadores, muitos em idade escolar, e conhecida prosaicamente como «engraxanço». Os chefes de repartição engraxavam os chefes de serviço, os alunos engraxavam os professores, os jornalistas engraxavam os ministros, as donas de casa engraxavam os médicos da caixa, etc... Mesmo assim, eram raros os portugueses com feitio para passar graxa. Havia poucos engraxadores. Diga-se porém, em abono da verdade, que os poucos que havia engraxavam imenso.
Nesse tempo, «engraxar» era uma actividade socialmente menosprezada. O menino que engraxasse a professora tinha de enfrentar depois o escárnio da turma. O colunista que tecesse um grande elogio ao Presidente do Conselho era ostracizado pelos colegas. Ninguém gostava de um engraxador.
Hoje tudo isso mudou. O engraxanço evoluiu ao ponto de tornar-se irreconhecível. Foi-se subindo na escala de subserviência, dos sapatos até ao cú. O engraxador foi promovido a lambe-botas e o lambe-botas a lambe-cú.
Não é preciso realçar a diferença, em termos de subordinação hierárquica e flexibilidade de movimentos, entre engraxar uns sapatos e lamber um cú.
Para fazer face à crescente popularidade do desporto, importaram-se dos Estados Unidos, campeão do mundo na modalidade, as regras e os estatutos da American Federation of Ass-licking and Brown-nosing. Os praticantes portugueses puderam assim esquecer os tempos amadores do engraxanço e aperfeiçoarem-se no desenvolvimento profissional do Culambismo.
(...) Tudo isto teria graça se os culambistas portugueses fossem tão mal tratados e sucedidos como os engraxadores de outrora. O pior é que a nossa sociedade não só aceita o culambismo como forma prática de subir na vida, como começa a exigi-lo como habilitação profissional. O culambismo compensa. Sobreviver sem um mínimo de conhecimentos de culambismo é hoje tão difícil como vencer na vida sem saber falar inglês."

by Miguel Esteves Cardoso, in "Último Volume"
Photo by Vaiva in Deviantart

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Dar


"O respeito pelos outros é o principio do respeito por nós próprios... tudo o que se dá é o que se tem."


Photo by BloodSorceress in Deviantart

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Zombies



Não matem os vossos sonhos...eles são zombies.

by Ruyva
Photo by chadmichaelward in Deviantart

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Humildade



"A sabedoria nada mais é do que a aprendizagem feita com humildade de tudo o que se desconhece.
Só com verdadeira humildade, poderemos (tentar) entender os mistérios que a vida nos apresenta. Desconhecer não é mau nem bom, é simplesmente ignorar algo que nunca nos foi explicado ou que não nos interessou antes…"

by Ogair Dorfenan