sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Eu



"E assim sou, fútil e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de uma emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é a tendência para ser a seguir outra; uma impaciência da alma consigo mesma, como com uma criança inoportuna; um desassossego sempre crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende. Atendo a tudo sonhando sempre [...] Sou dois, e ambos têm a distância - irmãos siameses que não estão pegados."

by Fernando Pessoa in O Livro do Desassossego


Nada poderia descrever-me melhor. Nada.



.

Um comentário:

Kidney disse...

O texto do Pessoa adapta-se mm bem a ti.
Foi bem sacado Luv.