sábado, 31 de março de 2007

Wake up!



De repente você revelou minha cor de rosa
Você pensa que tudo passou, mas você não passa
Você me abraça e eu sou carinhosa
Não vai ser fácil me deixar
Estou fora de mim, por aí com você por dentro
Vou ao centro do que você vê, mas se lê no vento
Nesse momento eu sou venenosa,
Você não vai me esquecer agora
Não pense mais, foi a minha intuição
Nunca se desvenda um coração assim
Olhe pra mim, sobram cinco palavras:
Um desejo só não basta.


By Simone
Pic by saibh in Deviantart

sexta-feira, 30 de março de 2007

Não Diga Que Eu Não Te Dei Nada




Te dei saliva pra matar a sede
E suor pra lavar o amor
Te dei o sangue que corre nas minhas veias
E lágrimas frias no calor
Te dei a flecha pra atirar em mim
E um livro pra rasgar as folhas
Te dei o zíper de fechar e abrir
E a possibilidade de escolha
Não diga que eu não te dei nada
Te dei uma moeda de pedra
Te dei um nome e os nomes estão perdidos
Te dei a pena da asa de um anjo
E os meus sonhos preferidos
Não diga que eu não te dei nada



by Paulinho Moska
Photo by Palaidota in Deviantart

Desabafo nocturno




Para alguém...
Está dito.

by Ruyva
Photo by mirrorkills in Deviantart

Foste?




Gosto quando te calas porque estás como ausente
e me escutas de longe; minha voz não te toca.
É como se tivessem esses teus olhos voado,
como se houvesse um beijo fechando a tua boca.
Como as coisas estão repletas de minha alma,
repleta de minha alma, das coisas te irradias.
Borboleta de sonho, és igual à minha alma,
e te assemelhas à palavra melancolia.
Gosto quando te calas e estás como distante.
Como se te queixasses, borboleta em arrulho.
E me escutas de longe.
Minha voz não te alcança.
Deixa-me que me cale com teu silêncio puro.
Deixa-me que te fale também com teu silêncio
claro qual uma lâmpada, simples como um anel.
Tu és igual a noite, calada e constelada.
Teu silêncio é de estrela, tão remoto e singelo.
Gosto quando te calas porque estás como ausente.
Distante e triste como se tivesses morrido.
Uma palavra então e um só sorriso bastam.
E estou alegre, alegre por não ter sido isso.



by Pablo Neruda
Photo by Maketea_notwar in Deviantart


This is a Song by The Magic Numbers

quarta-feira, 28 de março de 2007

True??? ( em 5 partes )



Será verdade?

1- Que o pior pesadelo de todos se tenha finalmente desfeito em bocados muito pequeninos de pó.
2- Que foi dado um pontapé nesse monte de pó para os bocadinhos nunca mais se voltarem a juntar.
3- Para o sofrimento não ser só meu.
4-E para eu me rir infinitos.
5-Porque eu mereço!


by Ruyva



Under the Influence by Chemical Brothers

Maluca Beleza!



Enquanto você se esforça pra ser
um sujeito normal
e fazer tudo igual
Eu do meu lado, aprendendo a ser louco
Maluco total
na loucura real
controlando a minha maluquez
misturada com minha lucidez
Vou ficarficar com certeza
maluco beleza
Este caminho que eu mesmo escolhi
É tão fácil seguir
por não tem onde ir
Controlando a minha maluquez
misturada com minha lucide
Vou ficar
ficar com certeza
maluco beleza
Eu vou ficar...


Photo by superida in Deviantart



Maluco Beleza by Raul Seixas

terça-feira, 27 de março de 2007

Já me lembrei...



Hoje esqueci-me que já não pertenço a lugar nenhum...e depois lembrei-me!
Lembrei-me que posso apanhar o autocarro para onde quiser e ficar lá o tempo que quiser.
Também me lembrei depois, que posso ir com quem quiser.
Posso ir dormir para a praia, apanhar frio e constipar-me. Posso beber até cair e ficar de ressaca três dias.
Posso calçar saltos altos, tropeçar e rir de mim, ou descalçar-me e dançar a noite toda.
Também me lembrei que posso entrar vestida no banho. E posso dar banho a quem me apetecer.
Posso pintar o cabelo de outra cor , posso ouvir e dar conselhos, posso conversar com toda a gente.
E melhor que tudo isto: Posso ir ter com um homem fantástico que conheço, beijá-lo, abraçá-lo, cheirá-lo e dormir com ele. E posso gostar dele.
Posso isto tudo porque não pertenço a lugar nenhum.
by Ruyva
Pic by ShadowHarlequin in Deviantart


Out of Control by Chemical Brothers

segunda-feira, 26 de março de 2007

Alívio



Alívio.
Os porquês já não moram aqui...e a angústia tornou-se alívio .
Vejo momentos a sorrirem outra vez.
Suspiros e lábios.
A confiança é coxa.
Esperança.
by Ruyva
Photo by xarli in Deviantart

domingo, 25 de março de 2007

Angústia



Angústia.

A velha angústia dos porquês.
Fecho os olhos para a esquecer, fingir que está tudo bem ...mas não. Tenho razões de sobra para sentir esta angústia...mas não a quero. Vai-te embora!
Estou farta de não ter lugar, mas de todos estes sentimentos terem lugar em mim.
Quero paz...será que acabou? Será que a força se esgotou?
Será que vou voltar a suspirar, rir, cheirar, olhar?
Será que nada mereço, e algo me vai lembrar disso?
Será que se esqueceu que estou aqui?
Resta-me esperar no lugar dos outros, sozinha...ou acompanhada pela angústia dos porquês.

by Ruyva


Lonely Day by System of a Down

sexta-feira, 23 de março de 2007

That's all



CLOSER TO YOU THAN YOU THINK ...
Photo by freckledmystery in Deviantart

Today's song...



There are places i'll remember
All my life though some have changed
Some forever not for better
Some have gone and some remain
All these places have their moments
With lovers and friends i still can recall
Some are dead and some are living
In my life i've loved them all
But of all these friends and lovers
There is no one compares with you
And these memories lose their meaning
When i think of love as something new
Though i know i'll never lose affection
For people and things that went before
I know i'll often stop and think about them
In my life i love you more
Though i know i'll never lose affection
For people and things that went before
I know i'll often stop and think about them
In my life i love you more
In my life i love you more


by Beatles
Photo by Xiomarie in Deviantart

O que tem que ser tem muita força




Diz-lhe que não
Diz-lhe que tudo acabou
Que é sempre mais feliz
Aquele que mais amou
Chega de juras de amor
Promessas de amor eterno
Para algum tempo depois
Voltarmos ao mesmo inferno
Por vezes é mesmo assim
Não há outra solução
Dói muito dizer que sim
Dói menos dizer que não
Diz-lhe que não
Diz-lhe que tudo acabou
Que é sempre mais feliz
Aquele que mais amou
Diz-lhe que chega de ouvir as frases habituais
Chamou-me a maior paixão da vida
Coisas banais
Maior ou não, pouco importa
Ser a única isso sim
Diz-lhe que não me enganou
Enganou-se ele por mim
Diz-lhe que não
Está na hora de acabar
Mas por favor não lhe digas
Que ainda me viste chorar

by Lúcia Moniz
Photo by jpanda in Deviantart

quarta-feira, 21 de março de 2007

Green eyes...baby's got green eyes...



Olive of my eye
Olives of my eyes
Olives in my eyes
Olives in his eyes


by DigitalMoana in Deviantart (kind of)
Photo by f0xychick3n in Deviantart



Para o meu único principe...
Quero que saibas que aconteça o que acontecer, siga eu o caminho que seguir, fique eu com quem ficar, durma com quem dormir, acabe eu como acabar...vou gostar sempre de ti. Sempre.
Porque és como és, genuíno e fiel a ti mesmo, porque és corajoso, generoso e cheio de sentimentos bons.
Porque sei que és meu amigo.
Porque me ensinaste muita coisa.
Porque me deste muitas mais.
Porque gosto de ti exactamente como és e com o que tens.
Porque tens um lugar em mim que é só teu.
Porque vais ser sempre a melhor recordação da minha vida.

Por isso, se por alguma razão (e podem ser tantas...) eu nunca te disser isto a olhar nos teus olhos...fica aqui o registo.




Bang Bang by Nancy Sinatra

Lisboa é minha!


Lisbon revisited (1926)


Nada me prende a nada.
Quero cinquenta coisas ao mesmo tempo.
Anseio com uma angústia de fome de carne
O que não sei que seja -
Definidamente pelo indefinido...
Durmo irrequieto, e vivo num sonhar irrequieto
De quem dorme irrequieto, metade a sonhar.
Fecharam-me todas as portas abstractas e necessárias.
Correram cortinas de todas as hipóteses que eu poderia ver da rua.
Não há na travessa achada o número da porta que me deram.
Acordei para a mesma vida para que tinha adormecido.
Até os meus exércitos sonhados sofreram derrota.
Até os meus sonhos se sentiram falsos ao serem sonhados.
Até a vida só desejada me farta - até essa vida...
Compreendo a intervalos desconexos;
Escrevo por lapsos de cansaço;
E um tédio que é até do tédio arroja-me à praia.
Não sei que destino ou futuro compete à minha angústia sem leme;
Não sei que ilhas do sul impossível aguardam-me naufrago;ou que palmares de literatura me darão ao menos um verso.
Não, não sei isto, nem outra coisa, nem coisa nenhuma...
E, no fundo do meu espírito, onde sonho o que sonhei,
Nos campos últimos da alma, onde memoro sem causa
(E o passado é uma névoa natural de lágrimas falsas),
Nas estradas e atalhos das florestas longínquas
Onde supus o meu ser,
Fogem desmantelados, últimos restos
Da ilusão final,
Os meus exércitos sonhados, derrotados sem ter sido,
As minhas cortes por existir, esfaceladas em Deus.
Outra vez te revejo,
Cidade da minha infãncia pavorosamente perdida...
Cidade triste e alegre, outra vez sonho aqui...
Eu? Mas sou eu o mesmo que aqui vivi, e aqui voltei,
E aqui tornei a voltar, e a voltar.
E aqui de novo tornei a voltar?
Ou somos todos os
Eu que estive aqui ou estiveram,
Uma série de contas-entes ligados por um fio-memória,
Uma série de sonhos de mim de alguém de fora de mim?
Outra vez te revejo,
Com o coração mais longínquo, a alma menos
minha.
Outra vez te revejo - Lisboa e Tejo e tudo -,
Transeunte inútil de ti e de mim,
Estrangeiro aqui como em toda a parte,
Casual na vida como na alma,
Fantasma a errar em salas de recordações,
Ao ruído dos ratos e das tábuas que rangem
No castelo maldito de ter que viver...
Outra vez te revejo,
Sombra que passa através das sombras, e brilha
Um momento a uma luz fúnebre desconhecida,
E entra na noite como um rastro de barco se perde
Na água que deixa de se ouvir...
Outra vez te revejo,
Mas, ai, a mim não me revejo!
Partiu-se o espelho mágico em que me revia idêntico,
E em cada fragmento fatídico vejo só um bocado de mim -
Um bocado de ti e de mim!...


by Álvaro de Campos
Photo by StrangeConcept in Deviantart

domingo, 18 de março de 2007

A um caçador de aventuras...


Esperando por alguém
Parecido comigo
Caçador de aventuras
Grande amante do sol da manhã
Que me faz espreguiçar
Nos braços de Morfeu
Mais um dia a menos
Menos um sonho a mais
Tanto faz
Ah, como tanto fez
Deixe que eu viva em lúcida embriaguez
Deixe que eu passe por momentos de prazer
Mesmo que eu fique
Esperando por alguém
Que me faz espreguiçar
Nos braços de Morfeu
Mais um dia a menos
Menos um sonho a mais
Tanto faz
Ah, como tanto fez


By Rita Lee
Photo by sanna in Deviantart

Amor x Sexo



Amor é um livro
Sexo é esporte
Sexo é escolha
Amor é sorte
Amor é pensamento, teorema
Amor é novelaSexo é cinema
Sexo é imaginação, fantasia
Amor é prosa
Sexo é poesia
O amor nos torna patéticos
Sexo é uma selva de epiléticos
Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval
Amor é para sempre
Sexo também
Sexo é do bom...
Amor é do bem...
Amor sem sexo,É amizade
Sexo sem amor,É vontade
Amor é um
Sexo é dois
Sexo antes,
Amor depois
Sexo vem dos outros,
E vai embora
Amor vem de nós,
E demora
Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval
Amor é isso,
Sexo é aquilo
E coisa e tal...
E tal e coisa...



Amor e Sexo by Rita Lee





Photo by 1nnerbeauty in Deviantart

Tributo a Oaktree...






Sou um evadido.
Logo que nasci
Fecharam-me em mim,
Ah, mas eu fugi.
Se a gente se cansa
Do mesmo lugar,
Do mesmo ser
Por que não se cansar?
Minha alma procura-me
Mas eu ando a monte,
Oxalá que ela
Nunca me encontre.
Ser um é cadeia,
Ser eu é não ser.
Viverei fugindo
Mas vivo a valer.



by Fernando Pessoa
Pic by sreliart in Deviantart

Naifada



Porque tenho eu
Frieiras se nunca tiro as luvas?
Porque tenho eu arranhões
Se os meus gatos são meigos?
Como dizia uma pobre rapariga
Que era criada e mal sabia ler
Também eu vou dizer
Coração partido
Pé dormente
Vou para a cama
Que estou doente
Porque me traíste tanto
Se os meus gatos são meigos?
Porque me traíste tanto
Se eu nunca tiro as luvas?


by A Naifa
Photo by UniqueNudes in Deviantart

sábado, 17 de março de 2007

Estou assim


Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer
O que nunca poderei ser.


by Fernando Pessoa

Agora é só



Morango.

O frágil coração da terra

levado à boca




in Se eu flor de morango...
Photo by Lizzusev in Deviantart

Cheiro de cheiro...


E quando somos perseguidos por um desejo?
E quando nos apetece mesmo muito sentir aquele cheiro ?

Hoje, queria esfregar o meu nariz no pescoço dele, e sentir aquele cheiro de pele. E enquanto o fazia, ele gemia baixinho, inspirava, expirava e...eu sentia no bafo quente o cheiro a tabaco e a cerveja. Depois sentia o cheiro da roupa dele e por debaixo dela, o cheiro do desodorizante misturado com suor.
E ficava assim, toda a noite, com este cocktail de cheiros que lhe pertence.

Mas tudo com que fico esta noite, é com a incerteza do que sinto quando penso no cheiro dele.
Não sei se é um desejo incontrolável de o sentir e ter...ou muita, muita saudade.
Mas a diferença não é muita. E aquele cheiro...ai!

By Ruyva
Photo by immug in Deviantart


Circo de feras by Xutos & Pontapés


quinta-feira, 15 de março de 2007

Sex



Lovers do it.

People abuse it.

Porn improves it.

Teens try it.

Rapists force it.

Hookers sell it.

Brothels run it.

The horny want it.

And human survival relies on it.


By Dreamstalker-Elite in Deviantart
Photo by TheJader in Deviantart

Procura-se porta...


Leviandade de um sonho simples.


Se eu tivesse uma porta...uma porta que fosse só abrir e...estava lá...com o sol a bater na cara, a beber cerveja e a comer tremoços. A rir com vozes grossas no meu ouvido, com piadas simples.Se eu pudesse encontrar essa porta , que podia abrir sem bater, e fecha-la de seguida atrás de mim...e estava lá... longe do todas as preocupações, com os olhos a brilhar a olhar para a novidade, a novidade de ver pessoas a sentir. Pessoas...só com coisas boas lá dentro.Se eu conseguisse entrar nessa porta...uma porta de madeira leve e suja...e estava lá...a conversar depois do pôr do sol, conversas banais, perguntas e respostas. E depois deixava-me cair nos braços dele que me levava para a cama com aquele olhar...e ficávamos lá três dias...a comer, beber, rir, conversar...só os dois.


By Ruyva
Photo by JadePixi in Deviantart

segunda-feira, 12 de março de 2007

Grrrrr !!! Abracadabra...make my wish come true...






Jump around
If your mind can't work
They may call me,
Leila K
I mean
I take it easy
Drop raggamuffin,
Like me sitting pretty
Me got me chased, come on
And contest me
Abrakadabra me say
Open sesame1 2 3 now catch it,
Now licky licky, come down
Lyrics a flash
From the girlie, girlie
Abrakadabra me say

Open sesame
Jump around if your mind can't work
Zongazon, zongazongaze
Bom, say this a say that say
Widdely dang ding , come
Me say abrakadabra
Me say open sesame
Born catch, them call me,
Leila K,
I mean
I take it easy
Drop raggamuffin
Like me sitting pretty
But they can't catch me
Abrakadabra me say
Open sesame
1 2 3 now catch it,

Now licky, licky
Come down lyrics a flash
From the gerlie, gerlie
BOunce back and catch up
They can't catch me
Abrakadabra me say
Open sesame's
Gonna let ya
Dengaza dengazadeddely
Deng ding come mi say
Abrakadabra me say open sesame's gonna let ya

Dengazo dengazodiddely deng ding
Come mi sayJump aroundIf your mind can't work
Abrakadabra me say
Open sesame

Open Sesame by Leila K
Photo by rabidgirlscout in Deviantart

domingo, 11 de março de 2007

Cativa-me.




"Foi então que apareceu a raposa.

- Olá, bom dia - disse a raposa.

- Olá, bom dia - respondeu educadamente o principezinho, que se virou para trás mas não viu ninguém.

- Estou aqui, debaixo da macieira - disse a voz.

- Quem és tu? - perguntou o principezinho

- És bem bonita...

- Sou uma raposa - disse a raposa.

- Anda brincar comigo - propôs o principezinho

- Estou tão triste...

- Não posso ir brincar contigo - disse a raposa - Ainda ninguém me cativou.

- Ah! Então desculpa! - disse o principezinho.Mas pôs-se a pensar, a pensar, e acabou por perguntar:

- "Cativar" quer dizer o quê?

- Vê-se logo que não és de cá - disse a raposa.

- De que andas tu á procura?

- Ando á procura dos homens - disse o princepezinho

- "Cativar" quer dizer o quê?(...)

- É uma coisa de que toda a gente se esqueceu - disse a raposa

- Quer dizer "criar laços..."

- Criar laços?

- Sim, laços - disse a raposa. Ora vê: por enquanto tu não és para mim senão um rapazinho perfeitamente igual a cem mil outros rapazinhos. E eu não preciso de ti. Tu também não precisas de mim. Por enquanto eu não sou para ti senão uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativares, passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo para mim. Eu também passo a ser única no mundo para ti...(...)- Tenho uma vida terrivelmente monótona. Eu caço galinhas e os homens caçam-me a mim. As galinhas são todas parecidas umas com as outras e os homens são todos parecidos uns com os outros. Por isso, ás vezes, aborreço-me muito. Mas, se tu me cativares, a minha vida fica cheia de sol. Fico a conhecer uns passos diferentes de todos os outros passos. Os outros passos fazem-me fugir para debaixo da terra. Os teus hão-de chamar-me para fora da toca, como uma música. E depois, repara! Estás a ver aqueles campos de trigo ali adiante? Eu não gosto de pão e, por isso, o trigo não me serve para nada. Os campos de trigo não me fazem lembrar nada. E é uma triste coisa! Mas os teus cabelos são da cor do ouro. Então, quando tu me tiveres cativado, vai ser maravilhoso! O trigo é dourado e há-de fazer-me lembrar de ti. E hei-de gostar do som do vento a bater no trigo...A raposa calou-se e ficou a olhar o princepezinho durante muito tempo.

- Se fazes favor... Cativa-me! - acabou finalmente por pedir.

- Eu bem gostava - respondeu o principezinho

- mas não tenho muito tempo. Tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer...

- Só conhecemos o que cativamos - disse a raposa - Os homens deixaram de ter tempo para conhecer o que quer que seja. Compram as coisas já feitas aos vendedores. Mas como não há vendedores de amigos, os homens deixaram de ter amigos. Se queres um amigo, cativa-me!

- E tenho de fazer o quê? - perguntou o principezinho.-

Tens de ter muita paciência. Primeiro, sentas-te longe de mim, assim, na relva. Eu olho para ti com o canto do olho e tu não dizes nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas podes-te sentar cada dia um bocadinho mais perto...

O princepezinho voltou no dia seguinte.

- Era melhor teres vindo á mesma hora - disse a raposa.- Por exemplo, se vieres às quatro horas, às três, já começo a estar feliz. E quanto mais perto for da hora, mais feliz me sinto. Às quatro em ponto hei-de estar toda agitada e toda inquieta: fico a conhecer o preço da felicidade! mas se chegares a uma hora qualquer, eu nunca vou saber a que horas hei-de começar a arranjar o meu coração, a vesti-lo, a pô-lo bonito... Precisamos de rituais.(...)

E o principezinho cativou a raposa. Mas quando se aproximou a hora da despedida:

- Ah! Eu vou chorar - suspirou a raposa.

- A culpa é tua - disse o principezinho

- Eu não te desejava mal nenhum, mas tu pediste para eu te cativar...

- Pois pedi - disse a raposa.

- Mas agora vais-te pôr a chorar! - disse o principezinho.

- Pois vou - disse a raposa.- Então não ganhaste nada com isso!

- Ai ganhei, sim, senhor - disse a raposa - por causa da cor do trigo...(...)- Adeus...- Adeus - despediu-se a raposa. Agora vou-te contar o tal segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.

- O essencial é invisível para os olhos - repetiu o princepezinho, para nunca mais se esquecer.- Foi o tempo que tu perdeste com a tua rosa que tornou a tua rosa tão importante.

- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa - repetiu o princepezinho, para nunca mais se esquecer.

- Os homens já não se lembram desta verdade - disse a raposa. Mas tu não te deves esquecer dela. Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que cativaste. Tu és responsável pela tua rosa...

- Eu sou responsável pela minha rosa... - repetiu o princepezinho, para nunca mais se esquecer."


Antoine de Saint-Exupéry, "O Príncipezinho"



Air from Suite 3 Bach by Ensemble Planeta(Classic Acappella Group


Should I ?



"Quanto...quanto me queres?

-perguntáste olhando para mim, mas distraída ;
E quando nos meus olhos te encontráste, eu vi nos teus a luz da minha vida.

Nas tuas mãos as minhas apertáste...olhando para mim como vencida -quanto...quanto ?
-de novo murmuráste, e a tua boca deu-se-me rendida!

Ah , ninguém sabe beijar melhor que os amorosos...

Quanto te quero? Eu lá posso dizer!...
Um grande amor só se avalia depois de se perder."
Autor desconhecido (por mim)
Photo by hakanphotography in Deviantart

quarta-feira, 7 de março de 2007

Elogio aos espelhos da nossa alma...




"Um Encontro de dois: olhos nos olhos, face a face.
E quando estiveres perto, arrancar-te-ei os olhos e colocá-los-ei no lugar dos meus; E arrancarei meus olhos para colocá-los no lugar dos teus; Então ver-te-ei com os teus olhos e tu ver-me-ás com os meus."

by J.L.Moreno
Photo by marcelmvb in Deviantart
Tenho andado assim...com 20000 sentimentos, o coração a bater, pele de galinha...pode ser que em breve tenha algo mais soft para declarar...agora não.

segunda-feira, 5 de março de 2007

Sinto-me viva!











A vida acontece quando te sentes vivo.

Estou viva quando rio, quando mergulho no mar, quando cheiro aquele perfume, quando me beijam a parte de dentro do pulso...

E tu? Quando é que te sentes vivo?
By Ruyva